Covid-19 - Após Fortaleza e Sobral, pesquisa de soroprevalência começa em Iguatu - Portal de Notícias CE

Portal de Notícias CE

www.portaldenoticiasce.com.br

 



Última Hora

Divulgação topo

Divulgação 1 Matéria

 


Web Rádio Portal de Notícias CE

TV Portal

 

sábado, 27 de junho de 2020

Covid-19 - Após Fortaleza e Sobral, pesquisa de soroprevalência começa em Iguatu


Com três fases de 700 testes cada, serão feitos um total de 2.100 testes na cidade de Iguatu, na Região do Cariri

Estado com maior número de testes no Brasil, com quase 255 mil exames já realizados, e que já foram distribuídos para todos os 184 municípios mais de 470 mil testes rápidos para detectar a Covid-19, o Ceará segue colhendo dados para a maior pesquisa epidemiológica do Brasil. Depois da primeira fase de Fortaleza, e Sobral, agora é a vez de Iguatu, na região do Cariri, que testa parte de seus habitantes para identificar o alcance do coronavírus e analisar seus impactos.

A Secretaria Estadual de Saúde do Ceará (Sesa), em parceria com a Secretaria de Saúde de Iguatu realiza estudo sobre o impacto do coronavírus no município. Para atingir os resultados, serão feitos 2.100 testes rápidos para a SARS-Cov-2 e RT-PCR (swab), divididos em 3 fases.

Pesquisa de campo

No total, 50 profissionais (entre agentes comunitários, enfermeiros e pesquisadores) realizam testes rápidos e de RT-PCR (swab), com o procedimento do cotonete que coleta a amostra da nasofaringe (vasos do nariz), para a SARS-Cov-2 em domicílios do município de Iguatu. O projeto é realizado pelo Governo do Ceará e conta com apoio da Federação das Indústria do Estado do Ceará (Fiec), prefeituras municipais e coordenação do Instituto Opnus de Pesquisa.

“Estamos tendo cuidado especial com o interior do estado, pois os casos estão aumentando de forma considerável em algumas regiões. Quanto mais testes realizarmos mais ferramentas teremos para as estratégia e tomada de decisões nesse enfrentamento ao coronavírus”, afirma o governador Camilo Santana.

Ao chegar em cada casa, uma enfermeira e um auxiliar de saúde informam que uma pessoa da residência poderá fazer os dois testes programados. Um, é o teste rápido, simples e que fica pronto em apenas 15 minutos. Durante o procedimento o aplicador coleta uma gota de sangue do entrevistado e faz um breve questionário enquanto aguardam o resultado. O segundo é e o RT-PCR (swab).

Para José Antônio da Silva, 75 anos, que diz andar de máscara até dentro de casa, essa pesquisa é muito importante para a cidade. “Ter informação sempre ajuda, e contra uma doença tão esquisita, que a gente não sabe direito como vem e vai, melhor ainda”. O aposentado vive sozinho, mas recebe visitas regulares da sobrinha, mas não apresentou nenhum tipo de sintomas, além das dores já comuns da idade. Após os testes e a entrevista, ele comemorou o resultado negativo com um sorriso. “Vamos seguindo nossa vida né, com cuidado e sempre de máscara”, disse.

A superintendente de saúde da Regional Cariri, Teresa Cristina, falou sobre a importância dessa testagem em cidades do interior, como Iguatu. “Dentro da Região do Cariri, iniciamos uma pesquisa em Iguatu para detectar quais áreas do município há maior incidência da doença, além de saber, através de uma entrevista, como se dá a rotina das pessoas, e com os números e dados poderemos agir com maior eficiência”, disse.

700 testes por fase

Em cada fase serão realizados 700 testes aplicados aleatoriamente na sede e distritos do município. Os domicílios serão selecionados de forma sistemática e o morador será sorteado aleatoriamente entre os residentes. No caso dos menores de idade e incapazes, os testes serão feitos mediante autorização dos pais ou responsável.

Já na casa de Rosália Ferreira, o movimento é mais intenso. Ela mora com seus quatro filhos, e duas delas costumam ir muito para rua brincar, sem nenhum tipo de proteção visível. Ao receber a visita dos profissionais de saúde para o teste, comemorou a oportunidade de tirar a dúvida se alguém da residência está ou não com a doença, pois disse não se sentiram muito bem nos últimos dias. “Aqui já tivemos febre e mal estar, mas já passou”, relembrou. De forma padrão para os testes, foi sorteado um residente, o bebê de um ano, Pedro Miguel. E, após a testagem, veio o alívio, a criança não está com o coronavírus. “Agora vamos aguardar o segundo exame, mas vamos tentar ficar mais em casa, eu e as crianças”, prometeu.

Para o secretário de Saúde de Iguatu, George Xavier, essa pesquisa científica é essencial para a tomada de decisões quanto ao enfrentamento da pandemia. “Como Iguatu tem uma área geográfica muito grande, e bastante distribuído, com cinco distritos em nossa cidade, precisamos em alguns casos ter trabalhamos mais incisivos do que em outros bairros, onde o vírus esteja com a maior circulação. Vamos direcionar os dados quantitativos para que possamos traçar ações e um planejamento mais efetivo para o tratamento dessa doença”, explicou.

Como reconhecer o pesquisador

Os pesquisadores portam crachá de identificação, termos de consentimento para participação e panfleto informativo da pesquisa, bem como estão paramentados com todos os equipamentos de segurança: touca, avental, óculos, máscara e luvas. Todos são treinados para aplicação dos testes e sobre os procedimentos de biossegurança.

Sobre os testes

Para Iguatu, estão sendo realizado dois testes com cada pessoa. O teste rápido, que se trata de uma simples picada na ponta do dedo, coletando uma gotinha de sangue. Em 15 minutos o resultado já estará disponível. Durante esse tempo, é aplicado o questionário com informações de sexo, idade, escolaridade, bem como sobre condições de saúde e possíveis sintomas que o morador tenha apresentado recentemente. E também o RT-PCR (swab), com o procedimento do cotonete que coleta a amostra da nasofaringe (vasos do nariz), o qual o resultado sai em até 10 dias e é comunicado ao paciente via secretaria de saúde local.

Comunicação do Governo do Ceará
Repórter: 
Daniel Herculano
Fotos: Nivia Uchoa

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Divulgação Matéria 2


Páginas