Internet Segura: O que os pais podem fazer para prevenir que o(a)s filho(a)s sejam vítimas de crimes no mundo virtual - Portal de Notícias CE

Portal de Notícias CE

www.portaldenoticiasce.com.br



Última Hora

Divulgação topo

Divulgação 1 Matéria

Web Rádio Portal de Notícias CE

TV Portal

quarta-feira, 12 de fevereiro de 2020

Internet Segura: O que os pais podem fazer para prevenir que o(a)s filho(a)s sejam vítimas de crimes no mundo virtual




Para encerrar a série de matérias informativas, divulgadas em alusão ao Dia da Internet Segura, a Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social do Estado do Ceará (SSPDS/CE) apresenta, nesta terça-feira (11), as orientações sobre os cuidados que os pais devem ter com as crianças e adolescentes, que acessam o mundo virtual. Com um estilo de vida cada vez mais frenético, alguns pais não conseguem acompanhar a rotina do(a)s filho(a)s ou conhecerem as pessoas que estão próximas a eles, o que gera um ambiente vulnerável.
A primeira dica é sempre estar atento aos sites acessados pelas crianças ou adolescentes, que podem ter contato com páginas de conteúdo impróprio, como pornografia e violência, além de correntes ou desafios que induzem as práticas de automutilação, e consequentemente, risco de vida. Nesse ambiente que demanda cuidado, algumas pessoas agem de má-fé, sob a falsa sensação de anonimato. Por isso, o acompanhamento dos pais sobre quais pessoas estão se relacionando com seus filhos é fundamental para evitar aliciamentos, chantagens e outras práticas criminosas. Por isso, é sempre indicado que os pais vinculem um e-mail ao e-mail do usuário utilizado pela criança ou adolescente, o que permitirá o acesso aos conteúdos navegados. Outra orientação é observar a faixa etária dos aplicativos, redes sociais, vídeos e games.
“A melhor maneira de evitar que esse crime aconteça em ambiente é virtual é que os pais estejam sempre atentos, orientando e dialogando com as crianças e adolescente sobre o que pode ser feito e o que não pode. Antigamente, tínhamos o cuidado de não conversar com estranhos na rua e isso também se aplica ao mundo virtual. Então a partir do momento que aquela criança ou adolescente acessa a internet, seja por celular ou computador, eles têm a chance de conversar com estranhos do mundo inteiro, seja de qual cidade for. Então, isso exige o estabelecimento de algumas regras e o reforço de cuidados”, explica a delegada Aline Moreira, titular da Delegacia de Combate à Exploração da Criança e do Adolescente (Dceca) da Polícia Civil do Estado do Ceará (PCCE).
Ela orienta ainda sobre como as pessoas devem proceder caso se deparem com alguma situação envolvendo seus filhos na internet. “O ideal é identificar que tipo de perigo é esse. Se os pais concluírem que é algo mais grave, eles podem se dirigir à delegacia de Polícia Civil, onde o caso será registrado e analisado pela autoridade policial. O delegado verificará se é algo de cunho criminoso, que será investigado, ou se é algo que deve ser resolvido dentro do âmbito familiar”, pontua.

Imagens expostas na internet

A SSPDS também alerta para a exposição excessiva de crianças e de suas rotinas na internet. O crescimento de algumas redes sociais e a monetização de algumas contas tem gerado o aumento de contas administradas por pais, que publicam fotos de seus(suas) filho(a)s em perfis criados especificamente com essa finalidade. Por isso, é sempre importante que os adultos estejam atentos ao tipo de imagem reproduzida, pois há o risco do material exposto ser replicado em redes de pedofilia.
A delegada titular da Dceca ressalta ainda o risco de expor o dia a dia do(a)s filho(a)s e a privacidade da família. “As pessoas devem evitar expor suas rotinas, como horário de saída e de volta para casa, qual colégio a criança ou o adolescente estuda, bem como fotos com fardas da escola ou de cursos frequentados por eles, porque essas informações facilitam a prática de crimes”, destaca. Por último, visando preservar o acesso de pessoas estranhas às postagens, a SSPDS destaca a importância da utilização das configurações de privacidade, restringindo o público que deverá acessar o conteúdo compartilhado, e também a ferramenta conhecida por controle parental. Ou seja, os pais podem controlar o conteúdo acessado pelo(a)s filho(a)s. O recurso é disponibilizado em configurações de sistemas operacionais, sites ou que podem ser instalados por meio de aplicativos pagos ou gratuitos.
Fonte: Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social ( SSPDS)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Divulgação Matéria 2


Páginas