Ceará - Notificações de dengue aumentam 16,02%, mas casos confirmados diminuem 63,95% em 2020 - Portal de Notícias CE

Portal de Notícias CE

www.portaldenoticiasce.com.br




Última Hora

Divulgação topo

Divulgação 1 Matéria


Web Rádio Portal de Notícias CE

TV Portal

sexta-feira, 28 de fevereiro de 2020

Ceará - Notificações de dengue aumentam 16,02%, mas casos confirmados diminuem 63,95% em 2020


O cenário de infecções por dengue no Ceará oscilou entre 2019 e 2020. De 29 de dezembro até 8 de fevereiro deste ano, o Estado teve 1.687 casos notificados da doença, e 173 confirmados. Em igual período do ano passado, foram 1.454 casos notificado, e 480 confirmados, de acordo com os boletins epidemiológicos da Secretaria da Saúde do Estado (Sesa). Enquanto os casos notificados aumentaram 16,02%, os confirmados diminuíram em 63,95%. 
Os comparativos foram apresentados durante a 46ª Reunião do Comitê Intersetorial de Controle das Arboviroses, na manhã desta sexta-feira (28). “Nós entramos agora no período mais crítico de todo o processo de transmissibilidade das arboviroses, no Brasil, sobretudo no Nordeste brasileiro, que é o período que vai de março até o final de maio e que às vezes se estende até o mês de junho”, explica o coordenador de vigilância em saúde da Secretaria Municipal da Saúde (SMS), Nélio Morais. “Então, todas as forças devem estar concentradas nas ações de campo, os nossos agentes de endemias fazendo o trabalho focal, visitando imóveis, identificando os criadouros e os focos, e eliminando esses focos, junto com o proprietário do imóvel”, ressalta. 
Neste ano, a maior preocupação é o retorno do sorotipo 2 da dengue, que não circula no Ceará há 10 anos. O vírus causou uma epidemia em Estados da região Sudeste no ano passado, principalmente em São Paulo e Minas Gerais. Em Fortaleza, três casos de dengue 2 já foram identificados em 2020, sendo dois no bairro Conjunto Palmeiras e um no bairro Sapiranga. 
“É muito comum acontecer que quando a gente tem uma epidemia em uma região, um ano ou dois depois, a gente tem outras regiões afetadas. Como o vírus dengue 2 não circula aqui há mais de 10 anos, isso faz com que todas as crianças que nasceram ao longo desse período estejam suscetíveis”, pontua Joana Maciel, titular da SMS. “Nós temos 35 mil crianças que nascem, por ano, em Fortaleza. Então toda essa população está vulnerável, e também aquelas pessoas que não tiverem dengue do sorotipo 2, que só confere imunidade quando você tem a infecção”. 
Embora os esforços sejam realizados a fim de evitar o aumento no número de casos, a secretária afirma que a rede de saúde está preparada para atender a população. Segundo ela, 23 dos 113 postos de saúde da Capital possuem salas de observação, e têm condição para fazer hidratação de pacientes e entregar resultados laboratoriais mais rápido, com o objetivo de não sobrecarregar as UPAs e hospitais. As UPAs, contudo, também contam com um plano de contingência nesse período do ano. 
“Nós temos seis UPAs gerenciadas pelo Município e mais seis pelo Estado, todas no território de Fortaleza. Independentemente de dengue, a gente tem um aumento no número de atendimentos por conta do período chuvoso. Aumentam as infecções respiratórias, gastroenterite, conjuntivite, são várias as infecções principalmente aquelas causadas por vírus que acometem a população aqui por ocasião das chuvas”, destaca Joana Maciel. 
Fonte: Diario do Nordeste

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Divulgação Matéria 2


Páginas