Esquema internacional de agiotagem no Cariri desarticulado pela Polícia Civil do Ceará movimentou mais de R$ 2,5 milhões na Colômbia em seis meses - Portal de Notícias CE

Portal de Notícias CE

www.portaldenoticiasce.com.br



Última Hora

Divulgação topo

Divulgação 1 Matéria




TV Portal

quarta-feira, 4 de setembro de 2019

Esquema internacional de agiotagem no Cariri desarticulado pela Polícia Civil do Ceará movimentou mais de R$ 2,5 milhões na Colômbia em seis meses


A Polícia Civil do Estado do Ceará (PCCE), por meio de uma investigação da Delegacia Regional do Crato, com o apoio do Laboratório de Tecnologia contra Lavagem de Dinheiro (LAB-LD), da Delegacia de Repressão às Ações Criminosas Organizadas (Draco) e do Departamento de Polícia do Interior Sul (DPI Sul), desarticulou um esquema internacional de agiotagem que tinha como base a cidade do Crato, na região do Cariri cearense. 
Na manhã desta terça-feira (3), a PCCE cumpriu 57 mandados – sendo 31 de busca e apreensão, nove de prisão preventiva e 17 de sequestro de bens – nas cidades de Barbalha, Crato e Juazeiro do Norte, pertencentes à Área integrada de Segurança 19 (AIS 19). As investigações apontam que o grupo é responsável por movimentar mais de R$ 2,5 milhões na Colômbia em seis meses.
No total, a Polícia Civil prendeu 11 pessoas, das quais nove foram capturadas por força de mandados de prisão e duas presas em flagrante pelo crime de agiotagem, previsto na Lei dos Crimes contra a Economia Popular. 
Com eles, foram apreendidos 11 veículos, sendo cinco motocicletas e seis carros, a quantia de R$ 27,5 mil, além de 100 dólares, 102 euros e 1.848.400 pesos colombianos, além de aparelhos celulares e computadores. A Polícia Civil do Ceará também solicitou ao Poder Judiciário o sequestro de veículos, imóveis e valores em contas bancárias dos investigados e de algumas empresas que estão em seus nomes.
A ação realizada  teve como objetivo desarticular uma organização criminosa de engenharia financeira internacional, suspeita da prática de crimes contra a economia popular (agiotagem), lavagem de dinheiro, extorsão e ameaça. A organização criminosa é formada por colombianos e brasileiros que exploravam pessoas em situação economicamente vulnerável, emprestando dinheiro a juros exorbitantes. 
Conforme explicou Giuliano Sena, delegado da delegacia regional do Crato e responsável pelas investigações, os criminosos emprestavam dinheiro e cobravam juros de, no mínimo, 20% ao mês, e, por meio de extorsão, faziam a cobrança. Em alguns casos, eles tomavam bens como pagamento, causando grave lesão à economia da região do Cariri e de outros estados. “Quando há atraso no pagamento eram implementados novos juros de 20%, ou seja, juros sobre juros”, explicou o delegado.
Giuliano explicou ainda como funcionava o esquema criminoso. “Os valores dos empréstimos variavam entre R$ 100,00 e R$ 3 mil, mas poderia ser ilimitado. As ofertas feitas por eles pareciam ser tentadoras. Eles distribuíam cartões com contatos e dizeres ‘empréstimos para comerciantes’ e com a opção de planos de pagamentos diários. Dessa forma, eles atraíam os clientes”, disse. O delegado explicou ainda que toda a movimentação financeira era integrada em um sistema ligado a uma central na Colômbia. “Todos esses indícios criminosos estão sendo investigados”, afirmou Giuliano.
As investigações sobre o esquema fraudulento iniciaram há cerca de quatro meses. Durante as apurações, a Polícia Civil descobriu que os colombianos investigados não possuem trabalho formal e viviam, na sua maioria, apenas da agiotagem. Porém, eles estavam criando laços familiares e empresariais com brasileiros, inclusive abrindo empresas que serviam para lavar dinheiro. “Pelo que pudemos observar, há uma transitoriedade grande desses criminosos. A maioria fica entre seis meses a um ano no Brasil, e ainda passam por várias cidades do mesmo estado ou de outros cometendo o mesmo tipo de crime e saindo rapidamente como uma forma de tentar evitar a prisão”.
Investigações
A Polícia Civil mantêm os trabalhos a fim de identificar outros partícipes da ação criminosa, bem como para solicitar a deportação sumária dos envolvidos estrangeiros. A população pode contribuir com as investigações repassando informações que possam auxiliar os trabalhos policiais. As denúncias podem ser feitas pelo número 181, o Disque-Denúncia da Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS), ou para o (88) 3102-1285, da Delegacia Regional do Crato. O sigilo e o anonimato são garantidos.
Fonte SSPDS

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Divulgação Matéria 2

Páginas